GÖBEKLI TEPE: RESUMO DAS DESCOBERTAS ARQUEOLÓGICAS

Partager :

Cette publication est également disponible en : Français (Francês) English (Inglês) Español (Espanhol) 简体中文 (Chinês (Simplificado)) Deutsch (Alemão) Italiano Русский (Russo) Türkçe (Turco) Polski (Polonês)

Tabela de conteúdo

OBJETIVO DESTE ARTIGO

Como o título sugere, este artigo resumirá tudo o que foi descoberto e dito até o momento sobre esse local sagrado.

Este artigo não é uma explicação do site. Você o encontrará em uma postagem separada, a seguir, intitulada :

GÖBEKLI TEPE: O MISTÉRIO RESOLVIDO

Antes de decifrar esse local e sua sagrada raison d’être, achei que seria útil, para não dizer necessário, resumir tudo o que foi dito e descoberto sobre ele pelo mundo da arqueologia. Isso garantirá que você saiba de antemão todas as informações úteis que precisa memorizar. Todos esses elementos serão então decifrados (no artigo dedicado à decifração desse local específico), graças ao conhecimento da linguagem simbólica pré-histórica sagrada, que, como você verá, nos permitirá decifrar o significado sagrado de cada um desses elementos. Como em todos os locais sagrados pré-históricos, essa linguagem simbólica sagrada foi amplamente usada pelo sumo sacerdócio para codificar seus ensinamentos e doutrina, inclusive sua doutrina principal: o renascimento do pai dos deuses (o homem primordial divinizado) no deus-filho graças à deusa-mãe (a mulher primordial divinizada) e seu útero.

VINCULE ESTE ARTIGO A TODA A SÉRIE LITERÁRIA “A VERDADEIRA HISTÓRIA DAS RELIGIÕES DA HUMANIDADE”:

Este artigo precede o artigo dedicado a explicar o mistério do local de Stonehenge, que você encontrará em um artigo separado neste site:

GÖBEKLI TEPE: O MISTÉRIO RESOLVIDO

ou no livro intitulado :

Os templos megalíticos de Malta, Göbekli Tepe e Stonehenge

que também podem ser encontrados à venda na seção a seguir:

Livros já publicados

Para saber por que este livro faz parte da série literária The True Story of the Religions of Mankind (A verdadeira história das religiões da humanidade), vá para a página :

Introdução / Estrutura e conteúdo

Espero que você goste de ler o artigo completo abaixo:

DATA DE – 9 600 A.C. GÖBEKLI TEPE NA TURQUIA

 

RESUMO DAS INFORMAÇÕES ATUALMENTE DISPONÍVEIS NO SITE

 

LOCALIZAÇÃO

 

Göbekli Tepe é um sítio pré-histórico ocupado nos 10º e 9º milênios a.C., Neolítico Pré-Cerâmico A e B 1,2, localizado na província de Şanlıurfa, Turquia, próximo à fronteira com a Síria, perto da cidade de Şanlıurfa.

O local de Göbekli Tepe cobre cerca de 9 hectares, medindo 300 metros de diâmetro. Ele culmina a uma altura de 765 metros, no ponto mais alto das montanhas Germuş, que ficam a nordeste de Şanlıurfa, cerca de 15 quilômetros adiante.

https://fr.wikipedia.org/wik/Göbekli_Tepe

 

DESCRIÇÃO

 

Ele tem dois níveis.

O Nível III (c. 9.600-8.500 a.C.) compreende um grupo de estruturas megalíticas localizadas na parte inferior do sítio, “recintos” de 10 a 30 metros de largura, com pilares em forma de T esculpidos com representações de animais e seres humanos. Essa é uma conquista monumental, sem precedentes para esse período.

As estruturas do Nível II (c. 8.500 – 8.000 a.C.), escavadas ao redor da área monumental do nível anterior nas encostas e no topo do morro, têm formato retangular, são menores e ainda têm pilares em T, mas em menor número.

 

Göbekli Tepe é um local atípico para sua época, pois não há evidências de casas permanentes ou atividades domésticas. Tampouco há qualquer indicação de que as comunidades que o construíram praticavam a agricultura ou a criação de animais. Portanto, o sítio não testemunha os principais desenvolvimentos associados ao início do período neolítico, ou seja, a domesticação de plantas e animais e o desenvolvimento de aldeias construídas por grupos sedentários. Por outro lado, ele é um excelente exemplo das mudanças mentais que acompanharam essas mudanças sociais e econômicas: sua iconografia revela um rico universo simbólico, ligado ao mundo selvagem, e suas estruturas, com sua arquitetura monumental, são claramente locais onde eram realizados rituais. O local é, portanto, interpretado como um santuário que servia como ponto de encontro para grupos de caçadores-coletores que viviam na região circundante e que se reuniam ali para realizar festivais comunitários.

https://fr.wikipedia.org/wik/Göbekli_Tepe

 

ETIMOLOGIA TURCA

 

Göbekli Tepe – em turco, significa “colina com barriga de pote”.

WK/Klaus Schmidt 2011 “Göbekli Tepe: A Neolithic Site in Southeastern Anatolia”, p. 138.

Algumas pessoas também o chamam de “morro do umbigo”.

 

UM MONTE FEITO PELO HOMEM

 

O Sr. Schmidt diz: “Esse monte, esse monte em forma de barriga no topo do platô de calcário, esse ‘monte do umbigo’, não é natural. É um monte que mede 300 por 300 metros e tem 15 metros de altura.

https://www.youtube.com/watch?v=6VKKIOb0ZpU.

 

DATAÇÃO

 

Göbekli Tepe foi construído em meados do 10º milênio a.C. e deixou de ser usado após o primeiro quarto do 8º milênio a.C. Na cronologia do Oriente Próximo, ele faz parte, portanto, do chamado Neolítico “Pré-Cerâmico”, dividido em dois subperíodos, o Neolítico Pré-Cerâmico A (ou PPNA, c. 10.200-8.800 a.C. em sua parte mais ampla) e o Pré-Cerâmico B (c. 10.200-8.800 a.C. em sua parte mais estreita).C. em sua parte mais larga) e o Neolítico Pré-Cerâmico B (ou PPNB, c. 8.800-6.900 a.C.), seguindo a terminologia desenvolvida para o sul do Levante no sítio de Jericó e também usada para o sudeste da Anatólia.

“… “o início das escavações em Göbekli Tepe destacou o aspecto religioso e simbólico dos desenvolvimentos do período. Há todos os motivos para acreditar que essa região, em torno da montanha Karaca Dağ, é um dos focos do Neolítico do Oriente Próximo, uma impressão reforçada pela existência de outros locais com pilares em T que prometem outras descobertas do mesmo tipo, Sefer Tepe ainda não escavado e Karahan Tepe, onde as escavações começaram em 2019.

https://fr.wikipedia.org/wik/Göbekli_Tepe

 

Nesta análise, apenas esse nível, o nível III, será discutido, pois é o mais antigo:

 

O nível III é o mais antigo do local, datando do Neolítico Pré-Cerâmico A e do Neolítico Pré-Cerâmico B inicial, com a maior largura entre 9.600 e 8.500 a.C.

 

De passagem, observe a importante observação feita sobre namoro:

 

Deve-se observar que, de modo geral, para esse sítio, assim como para todos os sítios arqueológicos, não há nenhuma técnica atual para datar o tamanho de uma pedra e, portanto, para determinar diretamente o período em que o sítio foi construído. Somente colocando os objetos encontrados no local de volta em seu contexto arqueológico, histórico e geográfico, por meio do estilo da gravura, e datando todos os restos orgânicos (usando a datação por carbono 14, em particular) é que podemos levantar a hipótese do período em que o local foi construído.

WK/(en) Oliver Dietrich, Çiğdem Köksal-Schmidt, Jens Notroff e Klaus Schmidt, “Establishing a Radiocarbon Sequence for Göbekli Tepe. State of Research and New Data”, Neo-Lithics, nos. 2013/1, 2013, pp. 36-41.

 

ESTRATÉGIA

WK/Veja os autores do artigo (Dietrich L, Meister J, Dietrich O, Notroff J, Kiep J, Heeb J, et al.). – Dietrich L, Meister J, Dietrich O, Notroff J, Kiep J, Heeb J, et al. (2019) Cereal processing at Early Neolithic Göbekli Tepe, southeastern Turkey

(Observação: nessa estratigrafia, há um erro na inversão entre os compartimentos A e B)

 

ESCAVAÇÕES DE NÍVEL III

WK/Vista aérea da área principal do local da escavação. De baixo para cima, os recintos circulares A, B, C e D do nível III/foto E. Kücük.

 

GABINETES/FOCO NOS GABINETES B, C E D

 

Nesse local, como veremos em Tara, na Irlanda, os recintos em forma de ovo (notadamente C e D) são encontrados lado a lado, obviamente dentro de uma estrutura maior, já que também são encontrados recintos do mesmo período que aqueles determinados como os mais antigos, nesse caso C e D.

Portanto, é difícil dizer qual deve ter sido a forma original do local como um todo até que todo o local tenha sido escavado.

Deve-se observar, no entanto, que foi sugerido que B, C e D eram os mais antigos e formavam um triângulo na mente dos construtores, que pode ser representado de forma bem esquemática, com base na fotografia aérea do local, como segue:

Aqui está a base documental para o resumo acima:

Esse nível compreende uma série de estruturas ovóides ou circulares delimitadas por cercas e decoradas com pilares em forma de T. Quatro delas foram descobertas durante as primeiras campanhas de escavação na parte sudeste do local, na zona inferior, e denominadas A a D na ordem em que foram descobertas. Uma quinta estrutura grande, a estrutura H, foi posteriormente localizada e escavada na área central. Por outro lado, as estruturas com o mesmo formato, mas menores, a oeste desse espaço central, F e G, que são mais rasas, podem datar de períodos mais recentes. Os levantamentos do local usando radar de penetração no solo e análises geomagnéticas para identificar estruturas enterradas sob o solo indicaram que pelo menos quinze estruturas desse tipo foram encontradas no local, a maioria das quais (ainda) não foi desmatada. De fato, outras estruturas semelhantes com pilares em forma de T que poderiam ser datadas do nível III foram encontradas em poços de teste realizados no local, alguns dos quais levaram a outras escavações.

 

A datação por radiocarbono sugere que as estruturas no Nível III não foram erguidas e usadas ao mesmo tempo, sendo que as estruturas D e C na área central aparentemente são as mais antigas, a primeira tendo sido erguida por volta da metade do 10º milênio a.C. A estrutura A parece ser mais recente, o que também é indicado por sua forma, que é menos arredondada do que as estruturas anteriores, aproximando-a das estruturas menores e retangulares do Nível II. ” … ” Essas estruturas ou recintos têm entre 10 e 30 metros de diâmetro. ” … ” A estrutura D, que contém o maior e mais bem preservado recinto, deve ter tido originalmente 11 pilares, sendo que os dois pilares centrais se elevam a uma altura de 5,5 metros.

https://fr.wikipedia.org/wik/Göbekli_Tepe.

 

Foi sugerido, no entanto, que as estruturas B, C e D formam um conjunto coerente construído por volta do mesmo período de acordo com um módulo geométrico planejado com antecedência, pois se conectarmos seus pontos centrais (a meio caminho entre seus pilares centrais), elas formam um triângulo com lados quase iguais.

WK/Gil Haklay e Avi Gopher, ‘Geometry and Architectural Planning at Göbekli Tepe, Turkey’, Cambridge Archaeological Journal, vol. 30, no 2, 2020, p. 344-357. 30, no 2, 2020, p. 343-357

É interessante que os pesquisadores israelenses que observaram a possibilidade de um triângulo equilátero também notaram que o ponto central de cada compartimento está no centro e na metade do caminho entre os pilares centrais.

 

Aqui está um relatório de outro site com um diagrama mais detalhado mostrando a localização das pedras:

Os pesquisadores descobriram que Göbekli Tepe foi construído de acordo com um plano arquitetônico muito preciso: se você desenhasse linhas através dos pontos centrais de três dessas estruturas neolíticas (chamadas de recintos), elas formariam um triângulo equilátero quase perfeito. Créditos: Gil Haklay/AFTAU

https://trustmyscience.com/plus-ancien-temple-monde-construit-selon-grand-plan-geometrique/

 

FORMAS DO INVÓLUCRO

 

As estruturas C e D consistiam em recintos de pedra em formato de ovo.

(Gobekli Tepe: um monumento do sexto milênio a.C./Dimitrios S. Dendrinos/15/11/2016 p.48)

 

CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS DO COMPARTIMENTO C

 

Deve-se observar que o recinto C é diferente dos outros, pois é composto por vários recintos, seu centro é cortado na rocha (o que também é o caso do D), com uma passagem estreita para acessá-lo e com um limiar em forma de U para acessá-lo:

 

Essas estruturas não são todas semelhantes em sua organização. A estrutura C, em particular, é a maior, medindo cerca de 30 metros de diâmetro, e compreende vários recintos concêntricos (três, possivelmente quatro) delimitados por pilares. Seu espaço central é cortado na rocha, com os dois pilares centrais assentados em plintos também cortados na rocha. O acesso era feito por uma passagem estreita delimitada por paredes de lajes de pedra. Sua entrada era marcada por uma soleira de pedra em forma de U, e degraus foram cortados na rocha para obter acesso; esse acesso foi fechado com tijolos em algum momento. A estrutura claramente passou por várias reorganizações ao longo dos séculos de uso: o recinto externo é o mais antigo, e os outros dois foram acrescentados sucessivamente, cada vez reduzindo o espaço interno; isso foi acompanhado por um deslocamento dos pilares em direção aos novos recintos; além disso, cada um dos recintos passou por várias fases de construção (três para os dois primeiros, quatro para o último).

https://fr.wikipedia.org/wik/Göbekli_Tepe

 

PILARES EM FORMA DE T

 

Os recintos são delimitados por pilares em forma de T, entre 10 e 12, e entre 3 e 4 metros de distância, com paredes de pedra a 2,5 m de distância, sem dúvida para impedir que alguém entre no círculo sem ser pela entrada principal.

2 pilares em forma de T, também maiores, com 5,5 m, estão sistematicamente presentes no centro de cada recinto.

Esses pilares são extraídos dos platôs de calcário ao redor.

O piso é cortado na rocha para C e D.

Esses pilares são, sem dúvida, representações antropomórficas de seres humanos.

 

Aqui está o banco de dados da Wikipedia:

 

Em geral, são formados por 10 a 12 pilares em forma de T, cada um com cerca de 3 a 4 metros de altura, que revestem a borda do pátio. Esses pilares são conectados por paredes de pedra com cerca de 2,5 metros de altura, algumas das quais têm bancos ao longo de seu comprimento. Dois pilares estão no centro, cerca de 5,5 metros mais altos que os outros. Esses megálitos foram extraídos dos platôs de calcário que cercam o local, onde foram identificadas pedreiras, uma das quais contém um pilar inacabado. O piso dessa área foi cortado diretamente na rocha (recintos C e D) ou (provavelmente para os níveis mais recentes) pavimentado com a técnica de terrazzo, usando pequenas pedras. Essas estruturas podem ter tido um telhado; foi sugerido que esses recintos eram semi-enterrados, com acesso pelos telhados, mas não há evidências conclusivas sobre isso.

https://fr.wikipedia.org/wik/Göbekli_Tepe

 

A forma de T dos pilares é antropomórfica: o corpo é representado pelo eixo e o ápice vertical representa a cabeça. Isso é confirmado pelo fato de que alguns dos pilares centrais apresentam esculturas de braços, mãos e tangas, além de representações de animais.

Os dois pilares centrais ocupam claramente um lugar especial nos recintos. Os do recinto D são claramente representações de humanos, pois têm braços e usam um cinto, segurando um pedaço de tecido que esconde seus órgãos genitais. O sexo desses indivíduos não pode ser determinado e não há indicação clara de que representem um homem ou uma mulher.

WK/Klaus Schmidt, ‘Anatolia’, em Daniel T. Potts (ed.), A Companion to the Archaeology of the Ancient Near East, Malden e Oxford, Blackwell Publishers, coll. “Blackwell companions to the ancient world”, 2012 pp. 153-155.

Wikipedia/Cobija

Reproduções dos pilares centrais do Recinto D no Museu Arqueológico de Şanlıurfa; as gravuras representando armas são visíveis no eixo.

 

ORIENTAÇÃO

 

ALINHAMENTO COM A ORION

 

O site National Geography relata a opinião do arqueólogo britânico Graham Philips de que os pilares centrais dos locais estão alinhados com as três estrelas no cinturão da constelação de Órion, uma das quais está ligeiramente deslocada das outras duas.     

 

Graham Philip está convencido de que o alinhamento dos dois pilares centrais de cada recinto contém um significado oculto. Todos os pilares centrais parecem estar voltados um para o outro em uma direção. Ele descobriu que os pilares parecem estar voltados para o norte-noroeste. Usando um software, ele conseguiu voltar no tempo até a época do local e ver o céu, que era visível à noite. De acordo com seu programa, as pessoas da época teriam visto o cinturão de Órion surgindo no horizonte. Órion é uma das constelações mais reconhecidas no céu. Ela representa um homem com uma clava em uma mão e um escudo na outra. Orion é um caçador. Adrian também acredita que as três pirâmides retratavam as três estrelas do cinturão de Órion como uma representação da fuga do faraó para as estrelas.

https://www.youtube.com/watch?v=wLK4iCswLKE.

 

ALINHAMENTO DAS PORTAS COM OS EQUINÓCIOS E SOLSTÍCIOS

 

Outros pesquisadores, como Dimitrios S. Dendrinos, concluíram que as estruturas C e D, em particular, estão em fase com o solstício de verão devido à disposição de seus pilares centrais. 

Ele também acrescenta: os raios solares atingiriam os pilares e os ortostatos das estruturas mais ao norte da GT (da estrutura D e acima) ao nascer do sol entre os equinócios de primavera e outono, mas seriam bloqueados do nascer do sol entre os equinócios de outono e primavera (Gobekli Tepe: “a 6 th millenium BC monument”/Dimitrios S. Dendrinos/15/11/2016 p.9)

 

 

ORIENTAÇÃO EM RELAÇÃO AO SOLSTÍCIO

 

As proporções de largura/profundidade/altura das pedras e a direção da largura dos monólitos em conjunto com suas localizações não eram aleatórias. Elas não apenas obedeciam a regras, mas também tinham um significado simbólico abstrato para o arquiteto da estrutura monumental. Eles foram colocados e orientados de tal forma que interagiram tanto intraestruturalmente quanto interestruturalmente. Os megálitos não apenas definem o recinto, mas também definem as conexões entre os recintos. É claro que essas conexões vão muito além do mero simbolismo, que não é assunto deste artigo, mas determinam os critérios de arquitetura e engenharia do monumento – dimensões, proporções, espaçamento etc. (Gobekli Tepe: a 6 th millenium BC monument/Dimitrios S. Dendrinos/15/11/2016 p.43)

 

As orientações das duas estruturas C e D e seus monólitos foram analisadas. Descobriu-se que essas estruturas têm uma orientação aparente (com base no ponto de entrada) e uma orientação real, sendo esta última o eixo de simetria da planta baixa dos recintos de pedra. As orientações reais indicam uma ligação com o nascer do sol durante o solstício de verão.

(Gobekli Tepe: um monumento do sexto milênio a.C./Dimitrios S. Dendrinos/15/11/2016 p.49)

 

Os dois pilares centrais de todos os recintos parecem estar orientados de maneira geralmente paralela à orientação geral aparente do recinto ” …” ” …” Essa não é a orientação pretendida para a estrutura C ou D; a orientação real da estrutura C é em direção ao sol nascente do solstício de verão, assim como a orientação real aproximada (eixo de simetria) da estrutura D. (Gobekli Tepe: a 6 th millenium BC monument/Dimitrios S. Dendrinos/15/11/2016 p.21)

 

 

 

Uma explicação semelhante pode ser encontrada no site da Arcana:

Site da Arcana

 

APARENTE SIMBOLISMO MASCULINO E FEMININO ENTRE OS DOIS PILARES CENTRAIS

 

O Sr. Dendrinos também observa que há uma ligeira discrepância entre os dois pilares centrais e que eles parecem seguir um ao outro; ao mesmo tempo, ele aponta a dicotomia simbólica masculino-feminino que o aspecto de duelo desses pilares deve representar.

 

Se você observar atentamente os dois pilares centrais de todos os recintos, poderá ver que os dois megálitos nunca estão exatamente paralelos um ao outro e não se alinham exatamente para ficarem nivelados em seus lados estreitos – eles estão posicionados como se um pilar estivesse ligeiramente, mas discretamente, “seguindo” o outro. ” … ” Como este artigo não trata de simbolismo em si, qualquer interpretação que possa ser extraída do arranjo, das dimensões relativas, das orientações etc. dessas pedras é deixada para o leitor interessado. Obviamente, o simbolismo também está ligado ao número de monólitos embutidos em cada estrutura, além, talvez, de uma dicotomia homem-mulher (divindade/ancestralidade) representada pelos dois pilares centrais.

Göbekli Tepe: um monumento do 6º milênio a.C./Dimitrios S. Dendrinos/15/11/2016 p.22)

 

ORIENTAÇÃO COM COREOGRAFIA DE SOMBRAS

 

Além disso, o Sr. Dendrinos acredita que os construtores procuraram deliberadamente criar um simbolismo de sombras, garantindo que, dia e noite, as sombras dos pilares centrais fossem refletidas de uma forma simbólica particular nos pilares do recinto, bem como entre eles. Mais uma vez, ele evoca uma alegoria masculina e feminina planejada pelos construtores. Em particular, ele prevê a possibilidade de um relógio de sol no recinto D, que contém 12 ortostatos. 

 

Todos os ortostatos descobertos até agora parecem ter uma orientação na direção geral do espaço central do recinto, mas nem sempre estão orientados exatamente para um ponto central fixo. Parece que o arquiteto queria que eles tivessem diferentes condições de sombreamento, além de orientação.

 

” … ” Além disso, essas pedras foram colocadas em pontos precisos para que interajam na medida em que suas sombras estejam envolvidas, em dias ensolarados e noites de luar. Nos movimentos de suas sombras, as interações ocorrem tanto de dia quanto de noite. ” … “

Das figuras 2.2 a 5.4, consideradas em conjunto, e considerando a orientação, altura, largura, profundidade e localização dos monólitos em forma de T dentro de cada estrutura, fica claro que certas coreografias foram encenadas dentro de cada estrutura, e uma alegoria masculino-feminina foi planejada. As sombras dos dois pilares no centro dessas estruturas, em seus movimentos diários, inclinavam-se e refletiam sobre os diferentes ortostatos em momentos específicos do dia e uns sobre os outros. Essa função, combinada com a arte nos pilares e ortostatos, foi parte de uma decisão que influenciou sua localização e orientação específicas. É muito provável que a interação das sombras tenha a intenção de transmitir um certo simbolismo. (Gobekli Tepe: um monumento do sexto milênio a.C./Dimitrios S. Dendrinos/15/11/2016 p.43)

 

No caso específico da Estrutura D, com os doze ortostatos desenhados na alvenaria da parede, isso pode sugerir que um sistema de relógio diário hexadecimal estava em operação; as sombras de ortostatos específicos durante o dia indicariam uma hora específica do dia. Um desenho preciso (possivelmente por escaneamento) desses ortostatos e sua orientação exata poderia oferecer uma oportunidade de testar essa sugestão. (Gobekli Tepe: um monumento do 6º milênio a.C./Dimitrios S. Dendrinos/15/11/2016 p.45)

 

As sombras projetadas pelos pilares centrais e pelos ortostatos nos recintos eram vistas como um meio de integrar a coreografia simbólica, talvez como parte de um complexo mecanismo do tipo relógio de sol baseado no sistema hexadecimal implementado nas estruturas de pedra do recinto. O sistema hexadecimal é amplamente baseado nos doze ortostatos da estrutura D. (Gobekli Tepe: a 6 th millennium BC monument / Dimitrios S. Dendrinos/15/11/2016 p.49).

 

PEDRA DE PASSAGEM

 

As pedras de passagem são encontradas em locais simbólicos, como as portas e janelas de recintos. Sua função permanece um mistério.

Um deles é um totem de 1m90, cuja explicação é igualmente misteriosa.

Site da Arcana/https://www.youtube.com/watch?v=6EIZYWwSZAs

 

Aqui está (imagem da Wikipedia)

Leia a seguinte descrição de seu autor, Sr. Dosseman:

Esse objeto é descrito em uma edição da Actual Archaeology do verão de 2012. “… “Ele mede 1,92 metros e tem três motivos principais, um acima do outro.

A parte superior representa um predador, provavelmente um urso ou um grande felídeo. A parte frontal da cabeça foi obliterada na antiguidade; a superfície da fratura está coberta por uma fina camada de calcário. Sob a cabeça, um pescoço curto, braços e mãos são visíveis. Sua forma humana é notável. Embora se possa postular que se trata de um híbrido humano-animal, ele também pode ser considerado um animal inteiro. Os braços (ou pernas) seguram outra cabeça que perdeu seu rosto na antiguidade. O motivo de uma fera selvagem segurando uma cabeça humana é bem conhecido de várias esculturas de Nevali Çori e Göbekli tepe. Por esse motivo, é muito provável que o rosto perdido fosse o de um humano, o que é reforçado pelo fato de que braços humanos estão representados abaixo da cabeça. As mãos estão colocadas uma em frente à outra e na barriga do indivíduo, de uma maneira que lembra os pilares em forma de T.

Sob os braços e as mãos há uma segunda pessoa, cujo rosto foi preservado. A parte superior do corpo, incluindo os braços e as mãos, também está representada. Sob as mãos há um objeto não identificado. Parece provável que a pessoa esteja sendo retratada dando à luz, embora um falo também possa estar presente. Em ambos os lados do poste, grandes cobras são visíveis, com suas cabeças logo acima do nível do pequeno indivíduo. Abaixo das cabeças das cobras há estruturas que podem ser interpretadas como as pernas do humano mais alto. Fragmentos de um objeto semelhante em forma de totem haviam sido descobertos 20 anos antes em Nevali Çori. De uma ilustração no WikiCommons, “Totem pole from Göbekli Tepe, Layer II, 8.800-8.000 a.C. Sanliurfa Museum”.

 

ICONOGRAFIA DOS PILARES

 

Muitos desses pilares são esculpidos, geralmente em baixo relevo, às vezes em alto relevo. As representações mais comuns são de animais: cobras, raposas e javalis, acima de tudo, mas também auroques, gazelas, muflões, onagros, grous, patos e abutres. Sempre que identificáveis, esses animais são machos e geralmente são retratados em uma postura agressiva.

As representações também incluem símbolos abstratos, especialmente um símbolo em forma de H, reto ou reclinado, bem como crescentes e discos e sinais de oposição. As representações humanas esculpidas são raras; o pilar 43 no recinto D parece representar um homem sem cabeça e itifálico no canto inferior direito. ” … “

Figura da esquerda para a direita e de cima para baixo:

Pilar 2 do recinto A: auroque, raposa e guindaste

Pilar 10 no paddock B: raposa.

Pilar 12 do Anexo C: aves.

Pilar 27 no recinto C: predador agachado (felino?) em alto relevo.

Pilar 37 (central) do recinto C: raposa.

Pilar 43 no recinto D: abutre e escorpião

Wikipedia/Fotos de Klaus-Peter Simon

 

OUTROS OBJETOS ESCULPIDOS

 

As estruturas em Göbekli Tepe, níveis I e II, também produziram várias esculturas de pedra pequenas, que geralmente não podem ser atribuídas a um período ou outro. Também nesse caso, o repertório iconográfico é muito rico e semelhante ao dos pilares do nível III, com representações principalmente de animais, mas também de seres humanos e, mais uma vez, principalmente de homens.

Escultura de javali

 

Ameaça à boca do animal

 

CULTURA MATERIAL

 

” … ” O equipamento pesado de pedra polida usado para moer é muito padronizado: grandes almofarizes de basalto em forma de ovo, acompanhados de pilões cilíndricos ou cônicos também feitos de basalto. Também foram encontrados grandes recipientes de calcário, bem como placas de calcário com marcas em forma de pequenas tigelas e grandes anéis de calcário de 0,5 a 1 metro de diâmetro cuja função não pôde ser identificada.

WK/Klaus Schmidt, “Göbekli Tepe: A Neolithic Site in Southeastern Anatolia”, em Sharon R. Steadman e Gregory McMahon (eds.), Handbook of ancient Anatolia (10.000 – 323 A.E.C.), Oxford, Oxford University Press, 2011. P.918, 919)

 

SUBSISTÊNCIA

 

” … ” Os objetos e instalações relacionados a alimentos descobertos em Göbekli Tepe são atípicos no contexto desse período. O local não produziu lareiras, fornos ou silos, mas seus dois níveis continham uma concentração excepcionalmente alta de implementos de moagem de grãos. Ferramentas de caça também são muito comuns, assim como restos de animais (principalmente gazelas, auroques e hemiônios).

WK/Joris Peters e Klaus Schmidt, “Animals in the symbolic world of Pre-Pottery Neolithic Göbekli Tepe, south-eastern Turkey: a preliminary assessment”, Anthropozoologica, vol. 39 “Domestications animales: dimensions sociales et symboliques. 39 “Domestications animales: dimensions sociales et symboliques. Tributes to Jacques Cauvin, Villeurbanne, 21-23 November 2002′, no 1, 2004/p. 182-183 e 206-208

 

 Há também vários fragmentos de copos de pedra para beber. Não há nenhuma fonte de água perto do local, embora tenham sido encontradas cisternas no platô de calcário acima dele, mas sua capacidade é de 153 m3, o que é considerado muito limitado para abastecer uma aldeia com água. Tudo isso sugere que o local não é permanentemente povoado e é usado apenas para eventos festivos ocasionais, levando a grandes picos sazonais de consumo, que exigem a produção de grandes quantidades de alimentos e, aparentemente, de bebidas fermentadas.

 

INTERPRETAÇÕES

 

Deixo a seu critério ler no site ou em outro lugar para obter um relato detalhado da interpretação clássica do sítio de Göbekli Tepe. É uma interpretação que não tenho tempo para relatar e comentar, e que é apoiada pela maioria dos especialistas do site. Ela gira em torno da ideia cientificista clássica e banal de um povo de caçadores-coletores que, ao se estabelecer aqui, teria empreendido um culto à agricultura e à criação de animais (exigindo a domesticação do mundo animal), marcando assim um ponto de virada em sua evolução comunitária (sic).

Vamos nos lembrar do que é mais importante e do que “todo mundo” parece concordar (quase! porque algumas pessoas ainda o veem como um uso puramente doméstico e não religioso!

É um santuário, um local sagrado.

Já é um ponto de partida! Estamos progredindo! :

A interpretação de Göbekli Tepe feita por Klaus Schmidt e sua equipe de escavação, formulada assim que foi descoberta e válida para os níveis III e II, é que as estruturas descobertas são santuários, sem espaços domésticos, e até mesmo os “primeiros templos” conhecidos. Elas eram usadas como parte de um culto que envolvia vários grupos de caçadores-coletores, em uma escala “suprarregional”.

https://fr.wikipedia.org/wik/Göbekli_Tepe.

 

ICONOGRAFIA, CRENÇAS E PRÁTICAS RITUAIS

 

Hoje, enquanto escrevo estas linhas[1] , e antes de ler a explicação que virá, qual é o entendimento que temos desse site? :

 

A análise dos pilares em T e de sua iconografia é vista como a chave para a compreensão do universo mental e ritual dessa comunidade, mas pode ser apenas conjectural, uma vez que os paralelos traçados dizem respeito a períodos históricos na mesma região, muito posteriores ao período de atividade no local, ou a paralelos etnográficos de outros lugares e épocas. Schmidt vê as figuras representadas pelos pilares como “seres sobrenaturais”, enquanto as outras representações antropomórficas menores descobertas no local ou em outros locais do mesmo período (Nevalı Çori) são consideradas “guardiões do outro mundo” de status inferior. De acordo com essa interpretação, os recintos “simbolizam reuniões humanas, e as pedras em pé, dispostas em um círculo, representam figuras estilizadas“.

https://fr.wikipedia.org/wik/Göbekli_Tepe.

 

Também encontramos esta interpretação: “alegoricamente, no centro, os deuses sem rosto, cercados por seu panteão de divindades animais”.

Site da Arcana/https://www.youtube.com/watch?v=6EIZYWwSZAs

 

Os animais representados correspondem à fauna que era encontrada ao redor do local na época e que era caçada, mesmo que os animais mais frequentemente presentes no cardápio dos banquetes de Göbekli Tepe (gazelas, bovídeos, hemiones) não sejam os mais representados aqui (cobras, raposas, javalis). Essa discrepância sugere que essas representações estão mais relacionadas a motivos mitológicos do que a rituais de caça. O fato de serem frequentemente representados em uma postura agressiva poderia indicar que eles servem como protetores dos pilares antropomórficos, mas essa opção não é necessariamente suficiente, pois a mensagem simbólica gravada parece ser mais complexa, principalmente porque os motivos animais coexistem com outros que não o são. As representações de abutres podem se referir ao tema da morte, já que o sítio pode ter sido usado para rituais funerários. As cobras são comumente representadas em sítios desse período (em louças e placas gravadas). A presença comum da raposa é mais difícil de interpretar, pois esse animal já não aparece muito no repertório iconográfico do Oriente Próximo. Também foram observadas diferenças entre os recintos de Nível III: a serpente é mais representada na estrutura A, a raposa na estrutura B e o javali na estrutura C, enquanto a estrutura D tem um imaginário mais variado, com pássaros (principalmente abutres) ocupando um lugar importante, e na estrutura H os felinos parecem estar mais presentes. Como visto acima, esses poderiam ser animais “totêmicos” usados como emblemas pelos diferentes grupos que compartilham o local73, 74, 45.

https://fr.wikipedia.org/wik/Göbekli_Tepe

 

Alguns dos megálitos de Göbekli Tepe, que podem ter até 5,5 metros de altura e pesar até 50 toneladas (45 toneladas métricas), estão nus, enquanto outros estão cobertos com esculturas impressionantes de símbolos abstratos e animais, como raposas, leões, touros, cobras e insetos.

“…””Cada área parece ter um animal dominante que foi representado várias vezes”, disse Carter. Isso pode significar que diferentes grupos de caçadores-coletores (cada um com seu próprio animal representativo) poderiam estar presentes. Os cientistas acreditam que os caçadores-coletores eram em grande parte animistas (?? Sic) (acreditando que tudo, de animais a plantas, tinha um espírito). “Nas culturas animistas, as representações de animais geralmente estão ligadas a grupos culturais específicos”, disse ele. Mas o maior dos recintos, chamado de recinto D, “tem uma grande variedade de representações de animais”, acrescentou.

https://trustmyscience.com/plus-ancien-temple-monde-construit-selon-grand-plan-geometrique/

 

Ao comparar os dados de Göbekli Tepe com os do sítio neolítico posterior de Çatal Höyük, na Anatólia Central (c. 7.400-6.000 a.C.), I. Hodder e L. Meskell propuseram a identificação de três temas simbólicos principais:

  • a proeminência de pênis na iconografia, um aspecto falocêntrico do culto, que vai contra a ideia generalizada da importância de um culto à fertilidade ligado a uma “grande deusa” durante o período neolítico do Oriente Próximo
  • a ênfase em animais selvagens e perigosos, conforme implícito pela presença dominante de predadores, muitas vezes em poses ameaçadoras, com garras e presas claramente destacadas, no repertório iconográfico de Göbekli Tepe (mais do que em Çatal Höyük)
  • práticas que envolvem a perfuração e a manipulação de corpos, em especial a remoção de crânios de humanos e animais.

Todo esse simbolismo e os rituais a ele associados teriam uma dimensão memorial e histórica, visível na continuidade da ocupação e nas várias fases de reconstrução desses locais. O domínio do mundo selvagem e a manipulação dos corpos faziam parte das mudanças que acompanharam o processo de domesticação (?? sic).

https://fr.wikipedia.org/wik/Göbekli_Tepe

 

A associação entre pilares com formato humano e representações de animais (especialmente no pilar 43 do recinto D, o mais rico do ponto de vista iconográfico), combinada com uma análise de outras representações artísticas do mesmo período, também pode ser interpretada como uma referência a práticas xamanísticas (?? sic).

Representações de seres humanos sem cabeça e fragmentos de crânios desenterrados em Göbekli Tepe indicam que um “culto aos crânios” (comumente interpretado como uma forma de adoração ancestral) era praticado ali, como em vários locais no Levante do mesmo período. Entretanto, esses crânios têm características que não foram documentadas em nenhum outro lugar: incisões profundas, que parecem indicar uma forma de decoração desconhecida em outros lugares. Trata-se, portanto, de uma variação sem precedentes desse tipo de culto.

https://fr.wikipedia.org/wik/Göbekli_Tepe

 

No que diz respeito ao culto aos crânios, de acordo com os pesquisadores do local, os crânios eram decorados, perfurados na parte superior e amarrados com cordas. É provável que eles fossem pendurados para que todos pudessem ver. Os ancestrais desempenhavam um papel fundamental. Naquela época, os crânios desempenhavam um papel crucial nas crenças rituais desse povo.

https://www.youtube.com/watch?v=wLK4iCswLKE

 

MOTIVOS PARA ENTERRAR O LOCAL

 

O enterro dos monumentos foi feito às pressas e provavelmente começou com um desejo benevolente de proteção; terminou com uma ação provavelmente maliciosa no final do Neolítico e pouco antes do início da Idade do Bronze. (Gobekli Tepe: um monumento do sexto milênio a.C./Dimitrios S. Dendrinos/15/11/2016 p.49)

[1] Julho de 2021

BIBLIOGRAFIA

https://fr.wikipedia.org/wik/Göbekli_Tepe.

— WK/Klaus Schmidt 2011 « Göbekli Tepe : A Neolithic Site in Southeastern Anatolia ».

https://www.youtube.com/watch?v=6VKKIOb0ZpU.

— Oliver Dietrich, Çiğdem Köksal-Schmidt, Jens Notroff et Klaus Schmidt, « Establishing a Radiocarbon Sequence for Göbekli Tepe. State of Research and New Data », Neo-Lithics, nos 2013/1,‎ 2013.

— See authors of the article (Dietrich L, Meister J, Dietrich O, Notroff J, Kiep J, Heeb J, et al.). — Dietrich L, Meister J, Dietrich O, Notroff J, Kiep J, Heeb J, et al. (2019) Cereal processing at Early Neolithic Göbekli Tepe, southeastern Turkey.

https://trustmyscience.com/plus-ancien-temple-monde-construit-selon-grand-plan-geometrique/

— Gobekli Tepe: a 6 th millenium BC monument/Dimitrios S. Dendrinos. 15/11/2016.

— Klaus Schmidt, ‘Anatolia’, dans Daniel T. Potts (dir.), A Companion to the Archaeology of the Ancient Near East, Malden et Oxford, Blackwell Publishers, coll. « Blackwell companions to the ancient world », 2012.

https://www.youtube.com/watch?v=wLK4iCswLKE.

— SiteArcana : https://www.youtube.com/watch?v=6EIZYWwSZAs

— Actual Archaeology. Summer 2012

— Klaus Schmidt, « Göbekli Tepe: A Neolithic Site in Southeastern Anatolia », dans Sharon R. Steadman et Gregory McMahon (dir.), Handbook of ancient Anatolia (10 000 – 323 B.C.E.), Oxford, Oxford University Press, 2011. P.918, 919)

— Joris Peters et Klaus Schmidt, « Animals in the symbolic world of Pre-Pottery Neolithic Göbekli Tepe, south-eastern Turkey: a preliminary assessment », Anthropozoologica, vol. 39 « Domestications animales: dimensions sociales et symboliques. Hommages à Jacques Cauvin, Villeurbanne, 21-23 novembre 2002’, no 1,‎ 2004/p. 182-183 et 206-208

— https://www.youtube.com/watch?v=wLK4iCswLK

LEMBRE-SE DA LIGAÇÃO ENTRE ESTE ARTIGO E TODA A SÉRIE LITERÁRIA “A VERDADEIRA HISTÓRIA DAS RELIGIÕES DA HUMANIDADE”:

Este artigo precede o artigo dedicado a explicar o mistério do local de Stonehenge, que você encontrará em um artigo separado neste site:

GÖBEKLI TEPE: O MISTÉRIO RESOLVIDO

ou no livro intitulado :

Os templos megalíticos de Malta, Göbekli Tepe e Stonehenge

que também podem ser encontrados à venda na seção a seguir:

Livros já publicados

Para saber por que este livro faz parte da série literária The True Story of the Religions of Mankind (A verdadeira história das religiões da humanidade), vá para a página :

Introdução / Estrutura e conteúdo

LEMBRETE DE DIREITOS AUTORAIS

Como lembrete, respeite os direitos autorais, pois este livro foi registrado.

©YVAR BREGEANT, 2021 Todos os direitos reservados

O Código da Propriedade Intelectual francês proíbe as cópias ou reproduções para uso coletivo.

Qualquer representação ou reprodução, no todo ou em parte, por qualquer processo, sem o consentimento do autor ou de seus sucessores, é ilegal e constitui uma infração punível pelos artigos L335-2 e seguintes do Código de Propriedade Intelectual francês.

Veja a explicação na parte superior da próxima seção, a nota preliminar do autor sobre sua política de disponibilização de seus livros:

Livros já publicados

Partager :